10 de out de 2010

A casa do tempo perdido (Drummond)


Bati no portão do tempo perdido, ninguém atendeu.
Bati segunda vez e mais outra e mais outra.
Resposta nenhuma.

A casa do tempo perdido está coberta de hera
pela metade; a outra metade são cinzas.
Casa onde não mora ninguém, e eu batendo e chamando pela dor de chamar e não ser escutado.

Simplesmente bater. O eco devolve minha
ânsia de entreabrir esses paços gelados.
A noite e o dia se confundem no esperar,
no bater e bater.

O tempo perdido certamente não existe.
É o casarão vazio e condenado.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Farewell. Rio de Janeiro : Record, 1996.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é democrático. Assim como ele preza pela liberdade de expressão, também zela pelo respeito. Críticas sem fundamentos ou comentários preconceituosos ou ofensivos não são bem vindos.