16 de ago de 2010

Incolor, inodora, insípida

Essa imagem no espelho da chuva
           ondula e balança outra
                       potencialmente tua.

Tal qual água limpa e nua,
cuja cor a radiação rouba,
esta face úmida
        pouco a pouco se escoa

                                                     e brinca,
                   entre uma piscada e outra,
propondo o jogo dos vários erros.

No ponto cego da absorção percebemos

: a imagem de si mesma destoa.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é democrático. Assim como ele preza pela liberdade de expressão, também zela pelo respeito. Críticas sem fundamentos ou comentários preconceituosos ou ofensivos não são bem vindos.